Ciclo menstrual pode ser aliado na prática de esportes

Uma pesquisa feita pela University College of London (UCL) entrevistou 800 mulheres e mais da metade afirmou que o ciclo menstrual influencia na sua perfomance esportiva. Mas na verdade, a menstruação pode trazer benefícios para a prática de atividades físicas.  O ciclo menstrual pode variar de 21 a 35 dias e é divido em três fases: folicular ou proliferativa, ovulatória e lútea. Vamos explicar como o corpo funciona em cada fase e o que você pode fazer para aproveitá-las da melhor forma.

Fase 1 – Do primeiro dia de sangramento até o início da ovulação

Nesta fase, há um aumento do principal hormônio feminino, o estradiol. Quanto maior a presença desta substância no corpo, melhor é a disposição, a força muscular, a resistência e o bem estar da corpo. Apesar do incômodo causado pelo sangramento e pelas cólicas, é possível ter um ótimo desempenho e produzir altos níveis de energia. No entanto, é importante que a intensidade do exercício físico aumente gradualmente, conforme o sangramento for diminuindo, pois a mulher fica mais sujeita a sentir fadiga e até ficar com anemia no início da menstruação.

Fase 2 – Fim do sangramento e ovulação

Chegou o momento para você intensificar o seu esforço físico ao máximo! Nesta fase, a predominância é do estrogênio, hormônio que tem receptores localizados nas células musculares que aumentam a transmissão de força e resistência. Outro aliado neste período é o pico da testosterona, hormônio que faz parte da construção muscular.

Fase 3 – Do fim da ovulação ao dia anterior à chegada do próximo sangramento

Momento também conhecido como TPM, que costuma durar até o início da menstruação. Durante esta fase, é provável que ocorra um aumento da fadiga, da irritabilidade e das dores no corpo, diminuindo a vontade de praticar esportes. Mas não desista! Porque é comprovado que realizar atividades físicas reduz a sensação destes sintomas.

Métodos contraceptivos e o esporte

Muitas mulheres reclamam que os métodos contraceptivos hormonais, como a pílula anticoncepcional, atrapalham no emagrecimento. Isso acontece porque a pílula aumenta uma proteína do sangue chamada SHBG, que se liga à testosterona. Como falado anteriormente, este hormônio contribui para a construção muscular e, como consequência, ele dificulta o ganho de massa magra.

Uma boa alternativa é o DIU não hormonal, método contraceptivo que não interfere no ciclo menstrual e nem na prática de exercícios físicos.

 

Fonte: UOL  / Ilustração: Silvia Marchetti