ANS alerta para os riscos do parto agendado; cesáreas aumentam de dezembro a fevereiro

Entre dezembro e fevereiro o número de agendamento de cesárias aumenta no país, devido aos feriados de Natal, Ano Novo e Carnaval, segundo dados da ANS, a Agência Nacional de Saúde Suplementar.

Foi o que aconteceu em 2009, durante a primeira gestação de Ladjane Arruda. “Em dezembro de 2009, eu já estava com 39 semanas. Então a previsão era que realmente o bebê nascesse em pleno Réveillon. E o médico já tinha me avisado que ele iria viajar, sugeriu, deixou que eu escolhesse fazer um pouquinho antes ou arriscasse fazer só após o Réveillon mas sem a segurança de tê-lo com a equipe própria.”

Na tentativa de evitar os agendamentos por conveniência, seja dos pais ou dos profissionais de saúde, a ANS está lançando uma campanha que alerta para os riscos do parto prematuro, de forma a evitar os agendamentos desnecessários de cirurgias, como explica o Diretor de Desenvolvimento Setorial da ANS, Rodrigo Aguiar.

“A gente está lançando agora no final do ano uma campanha de intensificação sobre a informação a cerca da não adequação da realização de cesariana por mera conveniência da mãe ou do médico. Nesse período, entre Natal e Ano Novo, justamente, por uma questão de conveniência. Para que esse parto não ocorra nos períodos de festas, a gente percebe que acontece a antecipação da data do parto. Os partos acabam acontecendo mais no início do mês de dezembro que não acontecerem nesse final.”

A proposta da campanha é lembrar aos pais e aos profissionais de saúde que o bebê tem seu tempo, e que em uma gestão sadia e sem riscos, ele deve ser respeitado.

E que é importante a família ter as informações necessárias para fazer escolhas conscientes.

Segundo a ANS, estudos científicos apontam que bebês nascidos de cesarianas apresentam maiores riscos de complicações respiratórias e são internados em UTIs neonatais com mais frequência.

A cesariana é um recurso que pode salvar a vida das mães e dos bebês, mas ela não deve servir para antecipar desnecessariamente o parto.

A ANS defende que o alarmante número de cesáreas no Brasil pode ser revertido.

Além da Campanha do fim de ano, vai lançar em janeiro a segunda fase do Projeto Parto Adequado, que vem identificando modelos inovadores e viáveis de atenção ao parto e nascimento, reduzindo o número de cesarianas desnecessárias.

A primeira etapa do projeto, feito em 35 hospitais, conseguiu, segundo a ANS, evitar a realização de 10 mil cesarianas desnecessárias.

Ao mesmo tempo foi registrado aumento de 76% nas taxas de partos normais nos hospitais que aderiram ao projeto.

A segunda fase da campanha vai contar com a participação de 136 maternidades e 68 operadoras de planos de saúde.

Fonte: EBC