ALIMENTAÇÃO E QUALIDADE DE VIDA

Quando pensamos em qualidade de vida e longevidade, não podemos deixar de falar em nutrição e atividade física. Estes fatores são importantes para manutenção do peso e prevenção de doenças, entre elas, as cardíacas, metabólicas (diabetes) e do sistema nervoso.

A alimentação é o conjunto de hábitos e substâncias utilizado pelo homem para manter suas funções vitais, contribuindo para o desenvolvimento físico e intelectual e fazendo com que o corpo funcione em harmonia. As dietas são individualizadas e culturais e por isso, muito variáveis.

O intestino é um órgão importantíssimo, já que a qualidade da alimentação proporciona o equilíbrio da flora bacteriana, que se não estiver adequada (disbiose), pode desencadear doenças que vão de simples infecções até doenças alérgicas, auto-imunes e câncer. O intestino sofre processo inflamatório (colite) e passa a absorver de maneira inadequada.

Embora o padrão da microbiota (bactéria intestinais) seja estabelecido até os 2 anos, ele pode ser impactado por fatores da nossa alimentação diária que apresenta mais influência sobre a constituição desta microbiota, quando comparada aos fatores genéticos (57% vs. 12%).

Uma das dietas mais estudadas atualmente é a “dieta do mediterrâneo”, onde você deve balancear o prato com metade de frutas, verduras e legumes e a outra metade com carne branca, grãos e frutas secas. A carne vermelha e a gordura animal (saturada) devem ser reduzidas, assim como os produtos refinados (açúcar e farinha). Deve se dar preferência aos produtos menos processados (integrais e orgânicos).

Apesar de sabermos o que comer, muitas vezes somos “sabotados” por dietas da moda e nutrientes e produtos que prometem milagres.

 

A refeição deve retornar à mesa, deve ser um momento saudável nutricionalmente e uma troca entre familiares e/ou amigos. Aspectos assim são fundamentais para nutrir um estilo de vida realmente saudável.

 

Dr. Ricardo Faure

Fonte: Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição